Home Quem somos Legislação Estatuto Mensagem do Presidente Contato

São Paulo, 17 Dezembro 2018 - 15:10 PATRONATO ENAS BRASIL    Roma, 17 Dicembre 2018 - 18:10
Aposentadoria/Pensioni
- INPS
- INSS
- Acordo Internacional
Cidadania Italiana
- Orientação
- Traduções
- Trentini/Sammarinesi
Destaques
Notícias
Links Úteis
Informações
- Brasil
- Itália
COM ALTA DO DÓLAR, TURISTA PAGA R$ 300 A MAIS PARA CADA US$ 1.000 GASTOS NO EXTERIOR
 
 
 
 

SÃO PAULO – Com a alta do dólar, o brasileiro deve ficar mais atento quando for viajar para o exterior. O alerta é do diretor executivo do Grupo PAR e consultor de finanças pessoais, Marcelo Maron.

De acordo com ele, a atenção maior se faz necessária porque, com a valorização da moeda norte-americana, para cada US$ 1 mil gastos em outro país, na prática, o brasileiro está gastando em torno de R$ 300 a mais.

“Com a alta do dólar, viagens ao exterior ficaram repentinamente mais caras. Na prática, são R$ 300 a mais em cada US$ 1 mil gastos, seja na passagem, aluguel de carro, hotéis, compras ou comida. Em uma viagem bem espartana, com gastos controlados, esse custo a mais não deverá ficar por menos de R$ 1 mil”, explica.

Na hora da compra

Ainda conforme Maron, os cuidados com os gastos nas viagens ao exterior devem começar na hora da compra do dólar que, geralmente, não é comercializado pelo mesmo valor do câmbio oficial divulgado na mídia.

“Esse fato pega muita gente desprevenida, pois todo viajante tem que desembolsar mais reais na hora de comprar de dólares do que aqueles que previa. Ao comprar dólares em um banco, vai pagar a taxa do câmbio turismo, que é mais elevada que a taxa oficial, além de receber a incidência de 0,38% de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras)”.

Cartão pré-pago

De modo geral, explica o consultor, a melhor opção para quem vai viajar é o cartão pré-pago. Isso porque, argumenta, não há sustos no momento da chegada da fatura, como no cartão de crédito, e o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) também é menor, de 0,38%.

“É uma excelente opção, pois além de reduzir consideravelmente o famigerado imposto, há um risco bem menor do que carregar papel moeda para casos de perda ou roubo de cartão. Claro que neste câmbio está embutido o lucro da instituição que lhe venderá o dólar, através de uma taxa de câmbio mais elevada que a oficial também”.

No cartão, diz ele, a cotação do dólar praticada pelas operadoras é aquela do fechamento da fatura, sendo que o IOF é de 6,38%.

Embora considere o cartão pré-pago a melhor escolha do viajante, ao decidir por uma viagem ao exterior, o turista não deve abrir mão do dinheiro vivo, que será importante para pequenas despesas, como uma gorjeta, um estacionamento ou um refrigerante.

 

Fonte:
Info Money